Terapia Primal I – Teoria Básica

 Terapia Primal

 

A terapia primal foi criada nos anos 60 por Arthur Janov, psicologo e psicoterapeuta estadunidense. Essa terapia força o paciente a reviver uma dor da infância, uma vivência em que por um momento a criança perde a esperança de ser amada da forma como é, e a partir dessa “dor primal” surgem todas as neuroses que poderão acompanhar o indivíduo a vida toda.
Coisas dolorosas acontecem a quase todos nós no início da vida que se imprimem em todos os nossos sistemas e que nos acompanha tornando nossas vidas miseráveis. É a causa da depressão, fobias, ataques de pânico e ansiedade e toda uma série de sintomas que aumentam essa miséria. Encontramos um caminho para esses primeiros arquivos emocionais e aprendemos a ter acesso a essas memórias, para destruí-las do inconsciente, permitindo-nos re-experimentar no presente, integrá-las e não sermos mais conduzidos pelo inconsciente. Pela primeira vez na história da psicologia há uma maneira de acessar sentimentos, escondidos, de forma segura e, assim, reduzir o sofrimento humano. É, em essência, a primeira ciência da psicoterapia.
– Dr. Arthur Janov

Teoria Básica

O trecho abaixo foi retirado do livro Why You Get Sick – How You Get Well de Dr. Arthur Janov

 

“Há uma neurose, muitas manifestações e uma cura: consciência.”

A dor reprimida divide o Self em dois lados e cada lado guerreia com o outro. Um é o eu real, carregado com necessidades e dor que estão submersas; O outro é o eu irreal que tenta lidar com o mundo exterior, tentando satisfazer necessidades insatisfeitas com hábitos ou comportamentos neuróticos como obsessões ou  vícios. A divisão do eu é a essência da neurose e a neurose pode matar.

Essa dor é o resultado de necessidades e sentimentos que não foram atendidos no início da vida. Essas necessidades não atendidas criam a “dor primal”. Chegar perto da morte no nascimento ou não se sentir amado como uma criança são exemplos de tal dor. A dor não é sentida no momento porque o corpo não está preparado para experimentá-la completamente e lidar com isso. Quando a dor é demais, ela é reprimida e armazenada. Quando há dor não resolvida suficiente, perdemos o acesso aos seus sentimentos e nos tornamos neuróticos.

 

“A maior causa de mortes no mundo hoje não é o câncer nem a doença cardíaca, é a repressão.”

A Terapia Primal é importante no campo da psicologia, pois significa, em última instância, o fim de tantos sofrimentos nos seres humanos. Descobrir uma maneira de tratar dor significa que existe uma maneira de parar a miséria em que muitos de nós estão atolados todos os dias de nossas vidas.

Depois de duas décadas de pesquisa, depois de lidar com milhares de pacientes com todas as aflições psicológicas e físicas imagináveis, chegamos a uma terapia precisa e previsível que reduz a quantidade de tempo que uma pessoa gasta no tratamento e elimina todo o movimento desperdiçado. É uma terapia que tem sido investigada por cientistas independentes e os resultados são consistentes. A Terapia Primal é capaz de reduzir ou eliminar uma série de doenças físicas e psíquicas em um período de tempo relativamente curto com resultados duradouros.

 

“Sentir a dor é o fim do sofrimento”

Encontramos maneiras de medir a presença contínua e os efeitos crônicos do trauma precoce. Observamos vez ou outra que, embora não seja sentida, a força da memória permanece no sistema, reverberando nos níveis mais baixos do cérebro e movendo-se contra o corpo onde quer que seja vulnerável. Ele molda nossos interesses, valores, motivações e idéias. Ao reviver esses traumas, os pacientes podem retornar aos eventos iniciais e saber com certeza como eles formaram o comportamento e os sintomas dos adultos.

 

“A repressão é a força oculta por trás da doença”

Podemos ver como as memórias enterradas ativam constantemente o sistema, pressionando os órgãos vitais e criando interrupções que eventualmente podem resultar em doenças graves. O problema para muitos de nós é que de repente nos encontramos com aflições ou obsessões e não temos ideia de como tudo aconteceu. Nós não sabemos por que não podemos dormir, por que não podemos encontrar um companheiro, por que estamos obcecados com essa ideia ou aquilo ou por que não funcionamos como queremos, sexualmente. A Terapia Primal pode esclarecer esses mistérios aparentes.

Às vezes, parece que todos estão sofrendo à sua maneira e poucos estão cientes disso. A televisão está cheia de anúncios de ibuprofeno, aspirina, pílulas para dormir e outros analgésicos, reconhecendo implicitamente a dor em que estamos todos, mas sem nunca reconhecê-la explicitamente. Não ocorre nada dramático, mas muitos de nós desenvolveram essa doença ou, desde a hipertensão até alergias, colite, ataques de ansiedade, asma, problemas de circulação e palpitações cardíacas (nossa história literalmente se torna palpável). Tantas doenças que parecem inexplicáveis – depressão e fobias, úlceras e enxaquecas – podem provir da mesma fonte. Assim, formam-se muitas das nossas peculiaridades de personalidade, nossos hábitos e padrões de comportamento, nossas pulsões e obsessões. Uma evidência poderosa de que o fato de os mesmos tipos de dores estarem por trás de tantas aflições e problemas comportamentais diferentes é que os mesmos tipos de tranquilizantes ou analgésicos são usados para tratar todos eles.

Nos campos da medicina e da psicoterapia, atualmente os médicos lidam com os sintomas. Basta olhar para o DSM-IV, o manual de diagnóstico e estatística psiquiátrico, com página após página de todas as variações possíveis de neurose. Em Washington, DC, eles erigiram monumentos aos sintomas, um edifício para cada um “abuso de drogas, alcoolismo, doenças cardíacas, câncer, etc.” Especialistas no tratamento de colite, úlceras, enxaquecas, diabetes, hipertensão arterial, asma, ansiedade, depressão, problemas conjugais, distúrbios alimentares, etc., sabendo cada vez mais e mais sobre esses assuntos limitados . Eles adicionam sal, retiram sal, adicionam tireoide, removem a tireoide, especulam sobre os motivos das alergias ou a infelicidade, analisam sonhos e quase sempre prescrevem medicamentos. Eles estão tentando normalizar o sintoma em vez de normalizar a pessoa que o tem, tentando normalizar a manifestação em vez do sistema que a manifesta.

Aprofundar o inconsciente nos permitiu esclarecer a base do comportamento dos adultos. Temos uma boa ideia do que está no inconsciente e não parece ser o empório místico tão freqüentemente descrito. Aprendemos na Terapia Primal que independentemente de a dor se manifestar no corpo ou na mente, a pessoa não é ela mesma; Existe uma deslocação da função global. A dor emocional e física deformam células e causam alterações que se apresentam nas medidas de sinais vitais, função cerebral e química, sistema imunológico, hormônios, fluxo sanguíneo periférico e no comportamento de uma pessoa. Tudo é torto.

A Terapia Primal funciona em sentido inverso da abordagem normal. Em vez de trabalhar no sentido de sintomas para possíveis causas, trabalhamos no sentido de causas para sintomas. O foco é sempre profundo. A partir dessa abordagem, desenvolvemos uma compreensão mais profunda de quem somos e o que nos impulsiona, nossas motivações básicas, escondidas e inconscientes.

Fonte:
Traduzido de “The Janov Primal Center – For Treatment , Training and Research”
http://www.primaltherapy.com

Gratidão
Villa do Bem


Gostou dessa matéria? Deixe um comentário! Compartilhe com seus amigos!
A gente te agradece muito!

Relacionados