A relação homem-animal

Sonohra,
A todos os seres humanos.

Do lugar aonde venho, há muito tempo não ocorrem mais guerras. Na memória dos habitantes de lá, não há quaisquer lembranças de desafetos entre os diversos seres que lá vivem. Isso só foi possível depois que passamos a perceber quão ilusória e danosa é a ideia de separação, seja entre os semelhantes, seja entre os diferentes. Passamos por um longo processo de despertar que culminou numa civilização próspera, pacífica e igualitária.

Nossos olhos voltam-se, hoje, para uma grave questão em seu planeta, a relação homem-animal.

Por quanto tempo mais vão fechar seus olhos para a crueldade cometida contra seus irmãos animais?

Cada espécie existente, dotada de características próprias, é um exemplo da infinita criatividade da Fonte de Toda a Vida.

Eles sempre estiveram ao seu lado, participando diretamente da evolução da espécie humana; nos tempos de paz e de guerra, indistintamente. Permaneceram presentes por desejo próprio, por necessidade ou imposição. Morreram por devoção, doçura e ingenuidade.

Contudo, sempre olharam para os homens com respeito. Percebiam com suas consciências emergentes que vocês estavam no poder e que suas armas de destruição eram imbatíveis quando comparadas aos seus parcos recursos naturais. Que garras ou dentes venceriam as afiadas lanças ou o majestoso fogo que aprenderam a controlar? As armas de fogo, os venenos químicos e as bombas nucleares não deixaram qualquer dúvida a respeito da capacidade destrutiva de homens enfurecidos.

O organismo animal foi projetado apenas para permitir sua sobrevivência, na disputa entre iguais pela reprodução e alimento, para a defesa própria ou do bando, mas é impotente para conter a Grande Fera Autoconsciente.

Em sua pureza primordial, apesar de tudo, tornaram-se seus servidores.

Eles os alimentam, vestem, aquecem e enfeitam. Fazem-lhe companhia, quando não resta por perto mais nenhum humano que se importe com vocês.

Trabalham uma vida inteira e os carregam de um lado ao outro. Vão às guerras e derramam seu sangue, sem contestar. São enjaulados para servirem de cobaias em dolorosos e intermináveis experimentos. São abandonados como trastes, ainda filhotes ou quando já estão velhos demais.

Por outro lado, tornaram-se verdadeiros brinquedos da moda, produtos descartáveis de uma sociedade que os trata como objetos.

São servidos como iguarias para os paladares mais refinados e, de uma forma triste, são vítimas de abusos sexuais ou violência física gratuita. Anteparos frágeis de uma guerra insana.

Entendam que os animais são seres com consciência em processo de evolução tais como as suas.
O tempo deles chegará, de qualquer forma. Um dia, despertarão e vão se reconhecer.
Até lá, embora careçam de autoconsciência, são capazes de demonstrar lealdade e amor, mesmo com aqueles que os martiriza. Parece que aprenderam a lição do Mestre Jesus antes mesmo dos homens.

Dizimados ano a ano por fome, maus tratos, comércio legal ou ilegal, guerras, destruição dos seus habitats, os animais pedem para que vocês olhem dentro dos seus olhos de assombro e concedam-lhes a chance de poder confiar nos homens, novamente.

Vocês podem ajudar na evolução de seus irmãos animais se os libertarem de seu ódio e amor doentio.

Olhem para eles.

Experimentem colocar a mão no peito de um animal e sintam a fonte generosa de energia que ele nos oferta , sem nada cobrar em troca.

Tratem-nos com dignidade e respeito.

Antes que questionem sobre a cadeia alimentar, lembro a vocês que o bife de hoje teve um dia uma face, conviveu com a indiferença, aprisionado, aterrorizado e que foi abatido sem qualquer reverência ou gratidão.

O que chega até nossa consciência, gera responsabilidade. Por ação ou omissão, somos responsáveis.

Porém, não gerem mais uma guerra entre vocês, pela causa animal. Pecuaristas contra ativistas, onívoros contra veganos. Se assim for, seu sofrimento terá sido em vão.

Tudo o que é feito com amor e consciência adquire outro significado aos olhos da Fonte de Toda a Vida.

Esse é o ensinamento que os animais sempre lhes ofereceram. Serviço, perdão, humildade, gratidão e amor incondicional.

Como o Cristo que morreu por amor, na hora do golpe final, sentir-se-ão honrados em poder servi-los.

Quando puderem conviver em harmonia e no amor, então, a paz se tornará uma possibilidade real em seu mundo.

Estejam na Luz.
Sonohra.
Canalizado por Hélio Couto
17/01/2012

 

Com muito amor!
Villa do Bem


Gostou dessa matéria? Deixe um comentário! Compartilhe com seus amigos!
A gente te agradece muito!

Relacionados